Pedagogia -Uniasselvi

Posted on: agosto 27, 2008

Estamos no terceiro trimestre do curso de pedagogia da UNIASSELVI (Centro Universitário Leonardo da Vinci),no momento estamos na Metodologia e conteúdos basicos de comunicação e Artes.Esta é uma pesquisa realizada para a avaliação somativa da Unidade 1 do Caderno de estudos.

“As diferenças entre o professor mediador e o professor autoritario”

A Tipologia de Professores


As classificações de professores segundo sua atitude didático-pedagógica

1. O PROFESSOR DESANIMADO

Não chega a ser um relapso e até que tem muito do cumpridor técnico do dever, mas falta-lhe o brilho do entusiasmo pelo que faz:

“tudo ficará como está, isso não passa de fogo de palha”

2. O PROFESSOR SAUDOSISTA

Desempenha a contento suas funções didáticas e apresenta relacionamento razoável com alunos e colegas de trabalho. Mas, a seu ver, a escola, se algum dia foi o que deveria ser, isso aconteceu nos velhos tempos da escola autêntica, hoje resta apenas o ensino do faz de conta. Diante de qualquer iniciativa ou promoção de reforma, ele, discretamente, permanece omisso:

“não seria eu a mudar o mundo, quem entortou a escola que a conserte”.

3. O PROFESSOR CRITIQUEIRO

É, em geral, um exímio conversador e antenado com todas as leis e portarias acerca da educação. Nada escapa de sua análise minuciosa, mas só enxerga o lado negativo das coisas. Para ele, a escola é apenas

um cabide de emprego para os divulgadores de banalidades culturais

4. O PROFESSOR ALIENADO

Faz do magistério um passa-tempo agradável. Se adapta a qualquer situação e está sempre indiferente aos problemas. Não vê, não ouve, não fala coisa alguma que o incompatibilize com a situação ou com o sistema. Sabe pôr a turma bem à vontade e, para ele, educar equivale a fazer a vontade dos educandos.

5. O PROFESSOR POLICIAL

Por convicção ou por interesse, ele sempre toma partido a favor do sistema. Disciplinado ao extremo, serve até de regulador para o relógio da casa. Os alunos, ele os mantém ocupados em transportar a montanha de matéria e de atividades que propõe, já que a educação consiste em assimilar todo o conteúdo programado pela cultura erudita.

Erudição e disciplina, eis a escola ideal

6. O PROFESSOR SEM MAIS

Se declara professor e nada mais. Educar equivale a ensinar e ensinar significa transmitir conhecimentos. O aluno representa para ele o espaço vazio a ser preenchido pelo saber. Desconhece a dimensão afetiva e moral dos alunos. Por isso, limita sua avaliação ao aspecto estrito da aprendizagem imediata. E basta.

7. O PROFESSOR CELETISTA

Não tem nome mas um número de matrícula. Não confia nos colegas pois o outro representa um possível substituto. Descomprometido com o ensino, não tem interesse pelos problemas da escola e do aluno. Como não cria raízes na escola, também não deixa saudades por onde passa. Por isso, ensina mas não educa.

8. O PROFESSOR SONHADOR

Apresenta um otimismo ingênuo mas exuberante. Vive na ignorância dos numerosos e complexos problemas da prática pedagógica. Está certo de que a sua ação educativa forma o educando a seu bel prazer. Se declara atuante fator de transformações profundas na alma do aluno e no mecanismo social. Em suma, é um professor que sonha alto.

9. O PROFESSOR-BICO

É um dos tantos profissionais que atuam, simultaneamente, em várias frentes. Para uns trata-se de necessidade e para outros é uma questão de prestígio e projeção; como para alguns aposentados que procuram fugir da ociosidade e se autopromover. Fato é que o professor-bico também não manifesta interesse em se vincular com os problemas vitais da educação.

10. O PROFESSOR LEIGO

Sem maior afinidade vocacional, ele apenas ocupou uma vaga. Em geral, desconhece as exigências vinculantes da consciência pedagógica. Logo, que surgir outro professor munido de diploma conseguido deus-sabe-onde e como, será fatalmente substituído.

11. O PROFESSOR IDEOLOGIZADOR

Adora fazer discursos e pregar. Não perde uma oportunidade de mostrar sua visão do mundo, geralmente de cunho moralista. Educar para ele corresponde a converter o educando para o próprio ideário. A atitude oposta ao ideologizador encontra-se na figura do mestre que trabalha a fim de que o educando encontre a verdade e se disponha a caminhar sob seu influxo.

12. O PROFESSOR TERRORISTA

É aquele que espalha medo entre os alunos. Aquele monstrinho pedagógico que assusta a turma, seja ameaçando com notas baixas ou com provas vingativas, seja ridicularizando as deficiências dos alunos. Esquecido de que já foi aprendiz e do quanto sofreu para aprender um pouco mais, o terrorista pensa ganhar prestígio, vociferando contra a suposta incapacidade de aprendizagem dos alunos.

13. PROFESSOR AUTORITÁRIO

É um dominador com ares de cinismo e de prepotência. Entende que cabe só a ele tomar decisões. Por lei, em sala de aula, eu gozo de autonomia“. Não entende que sua autonomia é relativa e se rege por coordenadas pedagógicas. E estas têm sentido educacional e não político ou despótico.

INFLUÊNCIA DOS PERFIS NEGATIVOS DO PROFESSOR

“Enquanto os conteúdos informam, os métodos de ensino formam”

Comprovação pela psicologia pedagógica:Avaliação da influência desses tipos de professores sobre os alunos

1. DO PROFESSOR DESANIMADO

Alunos apáticos, tristes e pessimistas. Alunos aptos para compor a massa da continuidade histórica.

2. DO PROFESSOR SAUDOSISTA

Produz céticos em potencial, pois somente o passado foi produtivo.

3. DO PROFESSOR CRITIQUEIRO

“Se tudo está errado, para que a lei e a autoridade?” Promoção da libertinagem ao invés da liberdade. Confusão entre desajustamento crítico e consciência crítica.

4. DO PROFESSOR ALIENADO

Infuencia os indivíduos a não terem a mínima capacidade pra analisar a situação sócio-política do país. Presas fáceis a ilusões demagógicas. É figura de suporte para qualquer sistema político a cavaleiro da situação.

5. DO PROFESSOR POLICIAL

Produz sujeitos condicionados à obediência e à submissão, aptos à integração em qualquer regime de vida ou trabalho. Os alunos são rotulados: problemáticos, turrões, retardados, indisciplinados, brilhantes etc.

6. DO PROFESSOR SEM MAIS

Alunos alienados aptos a “receber” conhecimento em suas cabeças vazias, com tarefas suficientes para que seja impedido outro tipo de raciocínio.

7. DO PROFESSOR CELETISTA

O educando será o reflexo da irresponsabilidade perante os valores transdecendentes da pessoa que a maquina estatal não respeita num professor contratado a título precário. O aluno passa ser mão de obra passiva e descartável.

8. DO PROFESSOR SONHADOR

O aluno capta um falso otimismo e acaba despreparado para as situações difíceis e reais da rotina diária. Perpetuação do atraso.

9. DO PROFESSOR-BICO

Os alunos permanecem inaptos para formular projetos válidos de atuação social.

10. DO PROFESSOR LEIGO

Alunos passivos e sem integração a grupos. Não participativos na condução dos fatos.

11. DO PROFESSOR IDEOLOGIZADOR

Alunos sem meios de compreensão e análise para avaliar os mecanismos de estrutura e ideologia. Não sabe detectar o fenômeno do mascaramento e de pseudo-racionalização que obscurece os fundamentos reais dos conflitos sociais.

12. DO PROFESSOR TERRORISTA

Gera alunos incapazes de iniciativa própria, devido à repressão de sua criatividade espontânea. Vivem com o complexo do medo, da fuga de compromissos, não se arriscam e não conseguem ser solidários.

13. DO PROFESSOR AUTORITÁRIO

Produz indivíduos condicionados a obedecer sempre. Segundo Maurício Tragtenberg, os produtos deste tipo são corpos submissos, exercitados e dóceis.

About these ads

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Obrigado Professor

Obrigado por fazerem do aprendizado não um trabalho, mas um contentamento. Por fazerem com que nos sentíssemos pessoas de valor; por nos ajudarem a descobrir o que fazer de melhor e, assim, fazê-lo cada vez melhor. Obrigado por afastarem o medo das coisas que pudéssemos não compreender; levando-nos, por fim, a compreendê-las...Por resolverem o que achávamos complicados... Por serem pessoas dignas de nossa total confiança e a quem podemos recorrer quando a vida se mostrar difícil...Obrigado por nos convencerem de que éramos melhores do que suspeitávamos.
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: